A importância da Cultura nos 50 anos da UFMT

MACP/UFMT, 2019

A POÉTICA DE MARÍLIA BEATRIZ

Ruth Albernaz *

O que temos a aprender/apreender com Marília Beatriz de Figueiredo Leite? A razão poética é necessária para reencantar o mundo. Nos ensina Heidegger que o artista é o início da obra e a obra é o início do artista, e a Arte é o início de ambos. Assim, um mar de afetos, intensidades e liberdade de Ser Arte é Marília.

Debruçar-se sobre a multiplicidade de sua obra nos faz reconhecer de imediato seu espírito vanguardista – pertence a uma estirpe artística de deslimites – reivindica sempre a liberdade polifônica das culturas e das expressões humanas. Sua prática artística, cheia de vertentes nos aponta muitas interpretações, da dramaturgia, poesia, crônica, conto, performance, composições musicais à artes plásticas. Nos oferta uma sinergia de sentidos e narrativas que enriquece o imaginário para a construção de nós mesmos.

A Poesia Visual de Marília Beatriz traz composições dinâmicas, evidenciadas por seu rigor matemático para o domínio do espaço construído. A série apresentada são colagens sobre papel com forte presença das formas geométricas que resulta em grafifismos equilibrados, produz assim, uma sensação ótica ao criar movimentos em todas as direções. A artista promove também a valorização do desenho quando compõe a segunda camada com linhas ou escritos em nanquim, complementares à colagem de recortes de papéis pintados em aquarela. Dessa forma, produz um jogo de diferenciação entre linhas e planos, potencializados pela delicadeza dos traços. Nessa construção plástica, inventa sua própria poética contemporânea.

O conjunto de sua vida-obra na experiência estética extrapola o concretismo, ou do abstracionismo, propondo muitas frestas para a produção de sentidos. A sofifisticada percepção e sensibilidade de Marília Beatriz propõe uma arte que está sempre em trânsito, aberta para novas possibilidades e experimentações no exercício de ser arte-artista ou somente apreciadora. Reconhecemos aqui que a reflflexão fundamental aponta que a Arte é vida, a qual não podemos dissocia-la da existência humana. Nesta mostra com obras inéditas, convidamos à todos para a delicada tarefa de olhar para além do que se vê, bem ali onde o invisível está a nos aguardar.

 

* Doutora em Biodiversidade, pesquisadora em Cultura e Etnoecologia, artista visual e curadora da exposição.